A minha vida imita a minha arte

Espero que gostem
das nossas imitações
colocadas em palavras
virgulando, reticenciando
Nossos mergulhos
Nessa loucura chamada
Pensamento

Luciana Gaffrée

quarta-feira, 16 de maio de 2007

Eu entrei na roda mas não sei dançar!!!

Um dia especial, o de hoje, pois é delicioso manejar ritmos (como no teatro) dentro de nossas salas de aula. Claro que qualquer ator sabe disso, mas no dia-a-dia vamos aprimorando essa habilidade e criando uma crescente harmonia com o nosso grupo de alunos, no meu caso eles têm 11 anos de idade.
O ritmo é a peça mais importante em qualquer espetáculo teatral. Teatro é atuação em ritmo. Entrar no mesmo ritmo é uma forma de união, proximidade e afinidade . É estar sintonizado com o outro, magicamente, especialmente, essencialmente.
Quem sabe se a comunicação - que possivelmente seja "verbalmente" bem incomunicável, lembrando agora do crucial livro "A Troca Impossível" de Baudrillard - seja apenas entrar no ritmo do outro, dançar no mesmo compasso, buscar sintonias, a freqüência, a batida, é deixar-se mover com o outro, diminuir o tamanho do seu eu, para encaixar-se numa grande orquestra do nós, que somos vários diferentes, ao mesmo tempo. O conteúdo foi trabalhado, mas o mais importante é ver que trocamos olhares felizes, cúmplices, conectados, houve humor, alegria, descontração, seriedade, concentração, toques, risos,
Talvez não devêssemos dizer que temos "turmas" de alunos, mas sim "orquestras" de alunos. Hoje a minha orquestra de 6º série primária tocou maravilhosamente bem!!!
Coincidentemente, dou aulas no Uruguai, onde um sinônimo para professor é "maestro", pois é, o regente de uma orquestra sinfônica.

2 comentários:

cris disse...

hola

Cristina da Silva disse...

Oi Luciana, adorei essa comparação.
Intentar a sintonia com o outro até encontrar o acorde perfeito essa é a nossa missão como professores.
Meus parabens !!!
Beijos
Cristina da Silva